abortamento de repetição

5 fatores do aborto de repetição

O aborto espontâneo ocorre com 8% a 20% das mulheres. A situação, extremamente dura, pode ocorrer em qualquer circunstância, e não somente decorrente de reprodução assistida. Mas existe um caso, mais raro, que acomete cerca de 1% das mulheres: o aborto por repetição. Trata-se de 3 ou mais perdas gestacionais de até 20 semanas de gravidez e que acontecem seguidamente, sem que haja qualquer gestação completa entre as perdas.

Aliás, vale destacar que o aborto é considerado quando há interrupção da gravidez até a 20ª semana (5º mês), em que o feto tem no máximo 500 gramas.

Normalmente, mulheres com mais de 35 anos são mais suscetíveis ao aborto, bem como, a partir dessa idade, há mais possibilidades de malformações e anomalias que levam a isso.

O tratamento para o aborto de repetição é específico pela causa, não há apenas 1. Existem 5 principais fatores que levam a esse tipo de aborto:

  • Genético;
  • Imunológico;
  • Uterino;
  • Hematológico;
  • Hormonais e infecciosos.

Confira cada uma das causas do aborto de repetição.

1# Causa genética

Alterações cromossômicas impedem a continuação da gravidez. Mutações no número ou na estrutura podem ser casuais ou por influência cromossômica dos pais — o 2º caso se liga aos abortos repetidos. A partir disso, é feito um exame histopatológico, a fim de se saber qual modificação cromossômica gerou o aborto.

2# Causa imunológica

O feto possui características imunológicas do pai e da mãe. Quando se instala e está no organismo materno, o funcionamento é semelhante a um órgão transplantado. O sistema imunológico poderia formar anticorpos, mas normalmente deixa essa ação “passar batida” durante a gravidez. Quando o corpo rejeita a gravidez (aloimune), o problema precisa ser tratado antes mesmo de a mulher engravidar. Além disso, quanto maior a compatibilidade genética entre o casal, mais chances de o aborto ocorrer. No tratamento, a mulher é sensibilizada pelos antígenos do marido para criar anticorpos e reconhecer o embrião.

3# Causa uterina

Malformação na cavidade uterina também pode impedir o crescimento do feto. O mesmo processo ocorre quando a mulher possui miomas ou pólipos. A histeroscopia é feita para avaliar o útero e identificar o problema. Os abortos tardios ocorrem normalmente por conta de útero didelfo, bicorno ou septado.

4# Causa hematológica

Mudanças na coagulação do sangue podem ser mais intensas quando situações hormonais específicas ocorrem, como é na gravidez. Caso a mulher tenha tendência para ter trombose placentária, o desenvolvimento do feto não ocorre. Para identificar a doença, é preciso fazer inúmeros testes de coagulação, e o tratamento pode ser por meio de anticoagulantes injetáveis.

5# Causas hormonais e infecciosas

Casos de toxoplasmose, brucelose, por exemplo, foram as primeiras a serem identificadas como causas de aborto de repetição há pouco tempo. Além disso, os hormônios também podem ser o motivo, como a deficiência na produção de progesterona ou a dificuldade na ovulação.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro