Acompanhamento pré-natal: veja como fazer corretamente

A notícia de uma gravidez causa um turbilhão emocional na vida de qualquer mulher, mas principalmente na das marinheiras de primeira viagem.

Junto à felicidade, surgem as preocupações e as dúvidas, e é justamente para isso que o acompanhamento pré-natal existe: preparar a mamãe e o bebê para a nova vida que está por vir.

O pré-natal é o acompanhamento médico obstétrico que visa cuidar da saúde da gestante e do bebê durante o período de gestação. Além disso, ele instrui as futuras mamães sobre as mudanças do corpo, o desenvolvimento saudável do feto, os principais cuidados e preparos para o parto.

Quer saber mais sobre acompanhamento pré-natal? Continue lendo este post!

A importância do pré-natal para a mamãe e o bebê

O pré-natal é um procedimento de cuidado especial que garante uma gravidez saudável. O acompanhamento médico, além de preservar e proteger a saúde da mãe e do bebê, tem como objetivo preparar e orientar a mulher para as possíveis alterações hormonais que ocorrerão durante a gestação.

Por meio do acompanhamento pré-natal, o médico conhecerá o perfil da gestante, seu histórico familiar, status de vacinação etc. Com o auxílio de exames, o profissional terá condições para tratar e prevenir possíveis complicações que possam surgir durante a gravidez.

O médico também deverá orientar sobre todos os cuidados com o corpo, a importância de hábitos alimentares saudáveis, as possíveis mudanças na pele, os desconfortos no crescimento da barriga, as alterações de humor, tirar as dúvidas sobre o parto, os primeiros cuidados do bebê e falar sobre os benefícios da amamentação.

Além disso, faz parte do pré-natal acompanhar o comportamento psicológico e emocional da gestante que, por intermédio das variações hormonais, somadas às dúvidas e preocupações com as novas responsabilidades, podem atrapalhar o andamento saudável da gravidez.

Quando começar o acompanhamento pré-natal?

O acompanhamento pré-natal deve ser iniciado assim que a mulher descobrir a gravidez e se estender mensalmente até os primeiros 45 dias do nascimento da criança.

Segundo o PHPN (Programa de Humanização no Pré-Natal) do Ministério da Saúde, o pré-natal deve ter no mínimo seis consultas, de preferência uma consulta no primeiro trimestre, duas no segundo trimestre e três nos últimos meses da gravidez.

É importante que a gestante saiba que quanto antes ela iniciar o acompanhamento pré-natal, melhor será para ela e para o bebê, já que os primeiros meses da gravidez são os mais delicados e importantes para o desenvolvimento saudável do feto.

Quais são os principais exames do pré-natal?

É de praxe que o médico solicite uma bateria de exames logo na primeira consulta de pré-natal e peça para que a gestante repita-os após o período de 28 semanas de gestação, para examinar seu estado de saúde no início e durante esse período.

Em geral, durante o pré-natal, são solicitados exames de fezes e urina, tipagem sanguínea, hemograma completo, exame de glicemia, sorologias para hepatite B, exames para detecção de DSTs como sífilis e HIV, exames de toxoplasmose, citomegalovírus, urocultura e papanicolau, caso a mulher não o tenha realizado no último ano.

Durante o acompanhamento pré-natal, o médico também pode solicitar outros exames de acordo com o quadro clínico da gestante, além das ultrassonografias, que são realizadas a partir da sétima semana de gestação.

Gostou? Quer saber mais sobre consultas de pré-natal, cuidados com a gestação e muito mais? Então, entre em contato com a Dra. Cris Carneiro e tire todas as suas dúvidas!

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro