câncer de ovário

Mitos e verdades sobre câncer de ovário

Considerada uma das doenças mais difíceis de se diagnosticar, pela falta de sintomas e de exames de rotina, o câncer de ovário é rondado por alguns mitos e crendices que chegam até a população feminina. No entanto, um alerta: a doença conseguiu atingir mais de 6 mil mulheres no ano de 2017, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Saiba neste artigo o que é mito e o que é verdade com relação a essa doença.

O uso de anticoncepcionais por um longo período pode causar a doença.

MITO.Recentes estudos demonstraram que o uso de anticoncepcionais tem protegido as mulheres contra o problema.

A doença só atinge mulheres de idade mais avançada ou durante a menopausa.

MITO. A doença é observada também em mulheres mais jovens. O que acontece é que a incidência aumenta a partir dos 40 anos, mas pode atingir pessoas de qualquer idade.

Sentir dores durante a relação sexual pode ser um sinal da enfermidade.

VERDADE. Mesmo sendo considerada uma doença assintomática, isto é, que não apresenta sintomas nos estágios mais iniciais, o câncer de ovário dá alguns indícios nos estágios mais avançados. Um deles são as dores durante a relação sexual. Outros sintomas que podem aparecer nesses casos são: aumento repentino ou inchaço no abdômen, fadiga, dor abdominal, funcionamento irregular do intestino, perda de peso sem motivo aparente. Pelo que se percebe, são sintomas comuns a outras doenças ou outros tipos de câncer. No entanto, no tipo de câncer em questão, essas alterações no organismo são mais intensas e frequentes.

Microcistos no ovário e no útero podem evoluir para esse tipo de câncer.

MITO. Talvez esse seja um dos mitos mais recorrentes. É importante ter em mente que cistos são considerados alterações benignas, portanto, permanecem no organismo sem causar doenças letais. As lesões consideradas benignas não se alteram ou se multiplicam, o que significa que não evoluirão para um câncer. Já o tumor considerado maligno tem a predisposição de se dividir e se espalhar pelo corpo, configurando um câncer.

A endometriose é um indicativo ou um fator de risco da doença.

MITO. A endometriose não é fator de risco para o câncer de ovário, segundo estudos. No entanto, é importante atentar para algumas situações que são consideradas, sim, fatores de risco para a doença. A saber: obesidade, gestação tardia, síndrome do ovário policístico, predisposição genética para a doença.

Reposição hormonal pode causar a doença.

VERDADE. Foi comprovado que a reposição hormonal após a menopausa pode indicar fator de risco para esse tipo de câncer.

Mulheres diagnosticadas com o problema não poderão ter filhos.

MITO. Isso vai depender do estágio do câncer de ovário e da idade da paciente. Em estágios mais avançados, em que a enfermidade atingiu boa parte dos órgãos genitais, a gravidez pode ser inviabilizada. No entanto, com o diagnóstico em estágio inicial, apenas o ovário que possui o tumor é retirado. Nesses casos, a paciente não é impedida de engravidar futuramente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro