Cisto no ovário

Cisto no ovário: sintomas, causas e tratamentos

A maioria das mulheres já ouviu falar de cisto no ovário, seja através de uma amiga ou em uma consulta ginecológica. Caso você não saiba sobre o que estamos falando, o cisto diz respeito a bolsas de líquido que se formam dentro ou sobre os ovários. Eles podem ser benignos ou malignos. Essa alteração é bastante comum, especialmente em mulheres na faixa dos 15 a 35 anos. Podem, inclusive, aparecer várias vezes ao longo da vida.

Muitas vezes, o cisto se “dissolve” sozinho, sem tratamento, e pode até passar completamente despercebido. Entretanto, ele requer atenção médica quando causa sintomas, ou quando está crescendo. Tais sinais podem indicar complicações na menstruação ou refletir em problemas para engravidar.

Tipos de cisto no ovário

Foliculares

Surgem quando não há ovulação, ou quando o óvulo não sai, mesmo durante o período fértil. Este tipo costuma não apresentar sintomas e ter entre 2,5 e 10 cm.

Lúteos

Aparecem depois da liberação dos óvulos e também costumam desaparecer sem tratamento. Entretanto, eles podem romper, especialmente durante lesões ou no ato sexual.

Sintomas do cisto no ovário

Quando há sintomas, esses incluem:

  • Irregularidades na menstruação;
  • Maior sensibilidade nos seios;
  • Dor pélvica durante a ovulação, ao evacuar ou durante as relações sexuais;
  • Sangramento vaginal fora do período menstrual;
  • Inchaço no abdômen.

Como a maioria dos cistos não apresenta sintomas, os citados acima acontecem, geralmente, quando há rompimento, torção, sangramento ou mudança de tamanho no mesmo.

Causas

As causas principais dos cistos são mudanças hormonais e erros no processo de ovulação, o que explica porque ocorrem mais durante a puberdade e antes da menopausa. Além disso, não há outras razões identificadas, mas alguns fatores de risco incluem o histórico familiar e uso de medicamentos estimulantes da ovulação. Tais medicamentos são muito usados por mulheres com dificuldade para engravidar. Vale dizer que, por vezes, os cistos podem até ser o motivo da dificuldade.

Tratamentos

O tratamento determinado pelo ginecologista varia muito, de acordo com tamanho e a forma do cisto, sintomas relacionados, idade da paciente e outros fatores. Quando ele não apresenta riscos imediatos, é possível que a única recomendação seja de acompanhamento ao longo dos anos, com exames rotineiros de imagem, como ultrassom além de exame de sangue. É muito importante que a paciente siga essas orientações, visto que a bolsa pode aumentar de tamanho com o tempo e, então, necessitar de outro tipo de tratamento.

Outros tipos de tratamento podem envolver anticoncepcionais, por exemplo, ou mesmo a intervenção cirúrgica. A cirurgia, geralmente, só é indicada quando o cisto no ovário está muito grande, segue crescendo, ou quando apresenta riscos de se tornar maligno, ou mesmo já apresenta sinais de malignidade. Na maioria das vezes, é um procedimento relativamente simples e pode até ser feito através de videolaparoscopia, uma técnica pouco invasiva.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro