Consultas ginecológicas: qual é a frequência recomendada?

Toda mulher precisa manter o controle da sua saúde por meio de consultas ginecológicas. Isso porque muitos problemas são silenciosos, apenas diagnosticados com o auxílio de exames. Por esse motivo, é essencial que as mulheres passem por consultas regulares com o ginecologista.

No entanto, qual é a frequência ideal dessas consultas? Tire essa dúvida e confira outras informações importantes sobre a saúde feminina lendo este artigo.

Por que as consultas ginecológicas são tão importantes?

Como dissemos logo no começo, muitos problemas de ordem ginecológica podem ser silenciosos e assintomáticos. Assim, a mulher não percebe que é portadora deles.

Alguns casos de endometriose, por exemplo, não são percebidos pela mulher, que descobre o problema quando ele já está em estágio avançado. Com esse mal, surgem cólicas muito fortes e outros sintomas incômodos, ou então dificuldades para engravidar.

Nas consultas ginecológicas, o especialista solicitará exames de rotina, como o Papanicolau, a ultrassonografia, a mamografia e outros. Eles são capazes de identificar possíveis problemas logo no início, o que facilita o tratamento e aumenta as chances de cura.

O câncer de colo de útero e o câncer de mama são doenças que as consultas ginecológicas podem diagnosticar logo no começo. Quando identificados precocemente, a mulher passa por um tratamento mais ameno e tem maiores chances de vencê-los.

Por isso, é essencial que você passe por consultas ginecológicas regulares, e não apenas quando os sintomas se manifestarem. Inclusive, esse controle deve iniciar mais cedo do que muitas mulheres imaginam.

Quando deve ser a primeira consulta ginecológica?

A idade certa para a primeira consulta com o ginecologista deve ser após a menarca, aos 18 anos ou depois de iniciada a vida sexual? Essa é uma dúvida recorrente das mulheres, e as mães ou responsáveis por meninas precisam estar atentas.

Entre 11 e 15 anos é o momento mais indicado para que a moça passe por sua primeira consulta. Essa idade coincide com a menarca e a entrada na puberdade, que varia para cada garota.

Porém, é preciso considerar que essa experiência é estranha para a menina, que pode se sentir confusa, insegura e envergonhada. Por isso, é essencial conversar com ela antes da consulta para esclarecer suas dúvidas.

Para ajudar a jovem a ficar mais tranquila, é interessante optar, pelo menos na primeira vez, por uma ginecologista, caso ela esteja muito nervosa. Para aquelas que já se acostumaram à ideia, basta escolher um profissional de confiança.

Qual é a frequência ideal das consultas ginecológicas?

Depois de iniciada a rotina de consultas ginecológicas, o ideal é que todos os anos você visite o especialista. Isso serve para acompanhar o seu quadro clínico e verificar se nesse período aconteceram mudanças que precisam de atenção.

O ginecologista solicitará os exames de rotina e, por meio da análise destes, poderá pedir outros aprofundados, caso encontre algum problema.

O retorno ao consultório deve acontecer segundo a indicação médica. Se a mulher estiver com sua saúde equilibrada, ocorrerá somente no ano seguinte. Para aquelas que têm algum diagnóstico que exige tratamento, o especialista indicará o tempo de retorno ideal, que precisa ser respeitado para garantir o sucesso do tratamento.

As consultas ginecológicas regulares são a melhor forma de prevenir doenças graves e de manter a saúde da mulher. Por isso, consulte-se regularmente, no tempo recomendado e siga sempre as orientações do seu médico. Desse modo, você se mantém protegida.

Gostou do nosso post? Aproveite e descubra tudo sobre a fertilidade depois dos 30 anos! Boa leitura!

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro