Exame de mama: por que ele é tão importante?

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), anualmente são diagnosticados cerca de 57 mil novos casos de câncer de mama no Brasil. Esse valor representa um crescimento de, em média, 2% no número de casos a cada ano.

Sendo considerado um dos tipos de câncer mais incidentes entre as brasileiras, a ameaça do câncer de mama demanda que a mulher esteja sempre em dia com os exames preventivos, além de realizar regularmente o autoexame das mamas. Entretanto, é comum que haja uma certa negligência das mulheres com o assunto.

Pensando nisso, preparamos algumas informações a seguir acerca da importância do exame de mama para a saúde da mulher. Confira!

A importância do exame

Muitas mulheres negligenciam a importância da realização do exame das mamas ou mesmo da procura de auxílio médico. Essa realidade decorre do desconforto gerado pelo aparelho mamógrafo, o que acaba criando um mito de que o procedimento causa muito sofrimento, o que não é verdade.

Embora o exame realmente cause desconforto na paciente, a dor é totalmente suportável e não se pode deixar de fazer um controle da saúde das mamas em função disso. O exame de mamografia é capaz de detectar a presença de câncer nas mamas, que é considerado o segundo tipo de câncer mais frequente nas mulheres brasileiras, perdendo apenas para o câncer de pele.

Visto que a incidência dessa enfermidade é extremamente alta no país, é fundamental que toda mulher faça frequentemente o auto exame das mamas. Além disso, após atingir a idade de risco é de suma importância que seja procurado auxílio médico para o exame clínico e para o devido encaminhamento para a realização do exame de mamografia.

Como o exame das mamas é realizado

O autoexame das mamas é algo que deve ser realizado periodicamente por toda mulher. Por meio do tato, deve-se procurar a presença de nódulos nas mamas e/ou axilas, além da observação na alteração do formato natural do seio.

Deve-se ainda observar a existência de qualquer anormalidade, seja alguma descamação ou a presença de secreções ao apertar o mamilo. Vale ressaltar que as devidas orientações para o autoexame das mamas devem ser dadas por um profissional qualificado na área de saúde.

A realização do exame clínico das mamas também é bastante importante. Por meio da observação e do toque o médico ou enfermeiro responsável analisa com maior profundidade e conhecimento de causa as características do seio e avalia qualquer anormalidade presente.

Por fim, após atingir idade de risco, a mulher deve se submeter ao exame de mamografia. A primeira realização do exame deve ocorrer aos 35 anos de idade, e deve ser feita anualmente após os 40 anos, de acordo com orientação do médico.

O exame é feito por um aparelho chamado mamógrafo que, a partir de uma leitura eletrônica baseada em raio x, é capaz de determinar a presença de lesões, calcificações ou mesmo a presença de pequenos tumores nas mamas. Embora o processo apresente um certo incômodo à paciente, é importante se submeter após a idade indicada pois o autoexame e exame clínico não são capazes de identificar enfermidades em estágio inicial, ao contrário da leitura do mamógrafo.

O sucesso do tratamento

O sucesso do tratamento de câncer de mama depende muito da fase em que a doença foi diagnosticada. Dessa forma, é extremamente importante que toda mulher tenha a preocupação de sempre estar em dia tanto com o autoexame como com as consultas médicas para a devida realização da mamografia.

Gostou do post? Confira também nosso artigo sobre Câncer de mama – os pequenos cuidados que toda mulher precisa ter!​

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro