gravidez ectópica

5 fatores de risco para a gravidez ectópica

O período de gestação é geralmente um momento que exige atenção e cuidados por parte da mulher a fim de que se desenvolva de forma tranquila para ela e o bebê. No entanto, existem circunstâncias que podem causar sérios problemas para a gestante, como a gravidez ectópica. Entenda como isso acontece e conheça 5 fatores de risco para esse quadro.

O que é gravidez ectópica

A gravidez ectópica é uma complicação que surge quando a gestação ocorre fora do útero. Neste caso, o óvulo fecundado se instala de forma equivocada em lugares que não são adequados para o seu desenvolvimento. Na maioria dos casos, isso acontece nas trompas de Falópio (gravidez tubária), mas também há situações em que o ovo se fixa no ovário, no colo do útero ou até mesmo na cavidade abdominal.

Em uma gravidez normal, após a fecundação, o óvulo migra pela tuba uterina em direção ao útero, onde ocorre a implantação desse ovo na parede do órgão. Nos casos de ectopia, essa migração não se desenvolve da maneira adequada e o óvulo se aloja em outra estrutura.

Sintomas e tratamentos

Os sinais do problema geralmente passam despercebidos no início da gestação e podem se manifestar entre a sexta e a oitava semana, como dores abdominais, mal-estar, náuseas e menstruação irregular. Como alguns desses sintomas também são comuns em uma gravidez normal, muitas mulheres acabam por ignorar a complicação.

Neste caso, o diagnóstico é feito a partir da análise dos sintomas clínicos, exames de ultrassonografia transvaginal associados aos indícios e testes laboratoriais. Um dos hormônios analisados é o Beta HCG, cuja taxa de elevação abaixo do normal é um indicativo do problema.

Caso a gravidez ectópica seja confirmada, existem dois tipos de tratamento. O medicamentoso é indicado nos casos em que o embrião apresenta menos de 4 centímetros e ausência de batimento cardíaco no feto. A droga é administrada via intramuscular para impedir o desenvolvimento do embrião, que é absorvido pelo organismo.

A outra forma de tratamento é a cirurgia laparoscópica, cujo objetivo é retirar o embrião e reparar a região danificada. Caso a trompa esteja seriamente danificada, o profissional pode também realizar a remoção.

5 fatores de risco para a gravidez ectópica

É importante frisar que a gravidez ectópica pode acontecer com qualquer mulher, mas existem fatores de riscos que aumentam as chances de que isso ocorra fora do útero e causem problemas de saúde. Os mais comuns são:

Problemas prévios nas trompas

Caso a mulher já tenha tido lesão estrutural, inflamação ou infecção nas trompas, o risco aumenta. Além disso, intervenções cirúrgicas ou problemas na ligadura dessa região também são fatores de risco.

Uso incorreto do DIU

O dispositivo intrauterino é um método contraceptivo comum entre mulheres. Nesse caso, é o uso incorreto do DIU que contribui para a ocorrência do problema.

Gravidez ectópica prévia

Se a mulher já teve o problema anteriormente, a chance de desenvolver outra gravidez do tipo é maior em uma nova tentativa. Por isso, é essencial o acompanhamento médico.

Doença inflamatória pélvica

Esse tipo é causado com mais frequência por doenças sexualmente transmissíveis, como clamídia ou gonorreia, que podem deixar lesões e cicatrizes nas tubas.

Tabagismo

Caso a mulher seja fumante, isso aumenta as chances de problemas durante o processo de gestação, entre eles, a gravidez ectópica.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro