gravidez ectópica

Gravidez ectópica: conheça os sintomas

Gravidez ectópica é a que se desenvolve fora do útero. No processo normal, o óvulo é fecundado em uma das tubas ou trompas uterinas, próximo ao ovário, e em seguida leva 4 ou 5 dias para percorrê-la, a fim de chegar ao útero, para se fixar na parede deste.

No entanto, pode acontecer de o embrião não chegar ao útero e começar a se desenvolver na própria tuba ou, ainda, em outros locais, como em um dos ovários, no colo uterino ou até numa cavidade abdominal ou no peritônio. Em qualquer um dos casos, o feto não sobreviverá e poderá colocar em risco a vida da mãe, e, por isso, o caso deve ser tratado com urgência. Vamos ver os sintomas e, em seguida, alguns tratamentos.

Os sintomas da gravidez ectópica

Os sintomas se manifestam juntamente dos sinais da gravidez normal, a partir da 5ª semana de gestação (ou seja, depois da suspensão da menstruação), e vão piorando conforme a gestação vai avançando. No início, eles são os mesmos de um aborto espontâneo, como:

  • hemorragia vaginal, leve ou intensa;
  • dor no abdômen.

Quando esse tipo de gestação ocorre na tuba é chamada de gravidez tubária — é a que ocorre na maior parte dos casos de gravidez ectópica. De qualquer modo, uma gestação fora do útero oferece riscos à saúde da mãe devido às hemorragias internas e à possibilidade de rompimento do órgão onde está se desenvolvendo o embrião. Eis alguns sinais que podem indicar essa situação:

  • grande dor na barriga ou na região pélvica, a qual piora com movimento ou esforço. É comum que comece de um lado e depois se espalhe por toda a região;
  • sangramento vaginal, que pode aumentar de intensidade;
  • tonturas, vertigens, desmaios, perdas de consciência, por causa de hemorragias internas;
  • choque hipovolêmico;
  • dor no ombro, por conta de hemorragia no diafragma — o sangramento irrita o músculo, e a dor é sentida no ombro.

Quando se constatam esses sinais, desde as primeiras semanas, é melhor procurar imediatamente um ginecologista ou obstetra, para checar a hipótese de uma gravidez fora do útero. Quanto mais cedo ela for diagnosticada, menos invasivo poderá ser o tratamento.

Os tratamentos

A gravidez ectópica, como se viu, não pode ser levada adiante. O fim da gestação ocorrerá naturalmente, caso contrário, será interrompida pelo médico com o uso de medicamento ou cirurgia. E, no caso da cirurgia, é importante definir qual a melhor possibilidade para evitar danos ao órgão, principalmente a tuba uterina, para não prejudicar a fertilidade feminina.

  • Medicamento: o metotrexato interrompe a formação do feto, e este é reabsorvido pelo organismo em pouco tempo.
  • Cirurgias: a menos invasiva é a laparoscopia — faz-se um furo na barriga da paciente para eliminar o feto (essa técnica também pode ser usada para procurar uma gravidez ectópica). No entanto, se a gestação está avançada e o órgão está se rompendo ou se rompeu, é necessário outro tipo de cirurgia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro