histeroscopia

Histeroscopia diagnóstica e cirúrgica: conheça

A histeroscopia é um procedimento ginecológico de 2 tipos: cirúrgico ou diagnóstico. De forma simplificada, esses 2 tipos do procedimento consistem na inserção de um equipamento que permite ao médico visualizar o interior do útero da paciente, o histeroscópio.

O histeroscópio é um aparelho extremamente fino (com diâmetro que varia entre 3 e 5 mm), que conta com uma câmera de vídeo. O ginecologista o insere na vagina da paciente, através de seu cérvix, até chegar ao útero.

O que varia entre o procedimento cirúrgico e o diagnóstico é o objetivo da realização dele. Quer entender quando cada um é necessário? Continue lendo este artigo!

Histeroscopia diagnóstica

O procedimento diagnóstico é utilizado como um exame de imagem. Quando há indicações de que a paciente pode ter alguma complicação nas regiões relacionadas à ginecologia, o exame permite a visualização do canal endocervical (no colo do útero) e da cavidade uterina.

Desse modo, é possível investigar a causa de alguns problemas, como:

  • sangramentos intermenstruais;
  • hemorragias que não podem ser controladas com medicação;
  • infertilidade;
  • abortos espontâneos repetidos;
  • sangramento após menopausa.

Além disso, o procedimento para fins diagnósticos também pode ser realizado como etapa prévia à fertilização in vitro (FIV). Nesse contexto, o exame ajuda na avaliação da cavidade endometrial, possibilitando a observação de condições que possam dificultar a FIV.

Assim, existem muitas situações que podem requerer que esse exame seja feito. O procedimento diagnóstico é considerado de baixo risco e pode ser realizado no consultório do ginecologista.

Procedimento cirúrgico

A inserção do histeroscópio para visualização da cavidade uterina também pode ser utilizada para a realização de cirurgias. Nesses casos, o procedimento também apresenta baixos riscos, contudo, ainda assim, deve ser realizado no centro cirúrgico.

O histeroscópio conta com acessos que possibilitam ao ginecologista inserir instrumentos no útero. Dessa forma, é possível realizar o acesso e o tratamento com o mesmo equipamento de diâmetro diminuto, com visualização adequada do procedimento durante toda a realização do procedimento.

O exame com o histeroscópio em caráter cirúrgico é indicado quando já há indícios da presença de alterações que podem ser tratadas dessa forma. Algumas delas são:

  • remoção de pólipos;
  • remoção de tecido cicatricial presente no útero;
  • execução de procedimento de ablação endometrial;
  • remoção de aderências;
  • realização de alguns tipos de esterilização.

Para fazer esses procedimentos, deve ser utilizada anestesia. A depender do que será realizado, podem ser empregados anestesia geral ou local e também um sedativo. Em alguns casos, pode ser recomendado ainda o uso de anti-inflamatórios previamente ao procedimento.

Como saber se eu preciso dos procedimentos?

Como vimos, a histeroscopia é um procedimento simples que pode ser utilizado para diagnóstico ou para tratamento cirúrgico. A única forma de saber se você precisa realizar algum desses procedimentos é consultando o seu ginecologista.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro