Métodos anticoncepcionais: diferentes tipos, mitos e verdades!

A escolha de contraceptivo é sempre um momento de tensão para a mulher: uma amiga engravidou usando este, outra engordou muito usando aquele e, no final, você já não sabe mais em que acreditar.

Essa é sua chance de acabar com as dúvidas. No post de hoje desmistificamos algumas falácias sobre os métodos anticoncepcionais mais populares. Confira!

1. DIU de cobre

É um pequeno dispositivo de cobre que, quando inserido no útero, torna o muco hostil aos espermatozoides, impedindo que ocorra a fecundação. Esse é um método não hormonal e, portanto, a mulher ovula e menstrua todos os meses.

Minha menstruação pode ficar irregular?

Esse é um dos principais “contras” desse método: algumas mulheres relatam ter menstruações mais volumosas ou prologadas e cólicas menstruais intensas após o uso do DIU.

Ele pode se deslocar?

Dificilmente o DIU se desloca, e as chances são ainda menores nos dispositivos em formato de ferradura, que ocupam melhor o espaço uterino quando comparados àqueles de formato T.

Ainda não sou mãe, e ai?

O DIU é muito comum entre mulheres que já tiveram filhos, porque têm o útero mais alargado, mas nada impede que você escolha esse método.

2. Mirena

Também conhecido como DIU hormonal, é um dispositivo intrauterino que libera quantidades constantes diárias de progesterona por 5 anos. Esse método é livre de estrógeno, o que reduz consideravelmente seus efeitos colaterais.

Se você é do tipo que não tem disciplina pra tomar a pílula todos os dias no mesmo horário, esse pode ser o método ideal pra você.

Mirena engorda

É mito! O dispositivo age localmente no útero e não libera altas concentrações de hormônio no sangue de uma vez só.

É um dos melhores contraceptivos no pós-parto. Procede?

Verdade. Por atuar diretamente no útero, o Mirena não passa hormônios para o leite materno, não comprometendo sua qualidade e, consequentemente, o desenvolvimento do bebê.

Eu mesma posso inseri-lo em casa

Assim como o DIU, o Mirena deve ser inserido no consultório médico pela ginecologista.

3. Pílulas anticoncepcionais

Esse é o método contraceptivo com maior número de adeptas no mundo devido ao seu baixo risco de falha. As pílulas mais modernas são combinados de hormônios de baixa dosagem: existem inúmeras opções, mas só a ginecologista poderá definir qual é a certa pra você.

Antibióticos reduzem a eficácia da pílula

Verdade! Sempre que for tratar com algum outro medicamento, pergunte ao médico se há interações medicamentosas entre eles. Em geral, antibióticos e anticonvulsivantes reduzem a eficácia dos anticoncepcionais.

Posso desenvolver problemas venosos?

As pílulas combinadas podem adiantar ou agravar quadros de varizes e até levar ao tromboembolismo. Antes de começar o controle com contraceptivos orais, não deixe de verificar, junto ao cardiologista e ao angiologista, se seus exames estão normais. Nessa hora, antecedentes pessoais, familiares e hábitos como tabagismo contam muito.

E se eu quiser engravidar?

É possível que demore alguns meses, mas não há regra definida e nem prejuízo à fertilidade da mulher. Se você está entrando na menopausa e não deseja engravidar, deve continuar tomando a pílula por 12 meses após a última menstruação.

4. Diafragma

Trata-se de um anel que funciona como uma capa, impedindo a entrada dos espermatozoides no útero. Ele deve ser inserido dentro da vagina meia hora antes da relação e retirado 12 horas após o ato sexual. A maior vantagem do diafragma é não ter qualquer efeito colateral, mas, para aumentar sua eficácia, recomenda-se o uso conjunto com espermicida.

É descartável?

Mito! O dispositivo pode ser usado por até 3 anos, mas, caso você engravide, deve ser trocado.

Não preciso ir ao médico antes de iniciar o uso

Você deve consultar sua médica para saber qual deve ser o tamanho exato do diafragma e se você tem alguma reação alérgica. Além disso, é preciso ser bem orientada sobre a inserção do anel para que você e seu parceiro não sintam incômodo durante a relação sexual.

É verdade que existem variações nos efeitos dos métodos contraceptivos, afinal, cada organismo responde de uma forma diferente. Por isso, é tão importante que essa escolha seja individualizada e bem conversada com sua médica.

Ainda está insegura sobre qual dos métodos anticoncepcionais é ideal pra você? Deixe aqui sua dúvida para mais esclarecimentos!

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro