videolaparoscopia

Videolaparoscopia: para que serve o exame

Videolaparoscopia: para que serve o exame

Também conhecida como laparoscopia, a videolaparoscopia é um dos principais exames para se diagnosticarem problemas intra-abdominais. Esse é o melhor meio para o diagnóstico da endometriose, apesar de não ser o 1º exame a ser realizado para tal fim. Além disso, serve como cirurgia para se tratarem patologias nessa região.

Como diagnóstico, esse procedimento é capaz de detectar, além da endometriose: biópsia ovariana, doenças ginecológicas, síndrome aderencial, tumor abdominal, gravidez ectópica, dor abdominal crônica, dentre outras patologias.

Além de diagnosticar, a videolaparoscopia é indicada para outras finalidades, a fim de tratar diversos problemas nessa região, como para operações no aparelho urinário, retirada de lesões ovarianas, retirada de mioma, de apêndice, laqueadura das trompas, histerectomia total, dentre outros tratamentos.

Como é a videolaparoscopia?

Apesar de a laparoscopia ser considerada uma técnica cirúrgica minimamente invasiva, o paciente necessita de uma anestesia geral para que o cirurgião realize um corte na região do umbigo, por onde será inserido um tubo contendo gás carbônico com uma microcâmera no interior. Além dessa incisão, podem ser feitas mais 2, para que outros instrumentos necessários para a exploração da área pélvica sejam inseridos com facilidade.

Tal microcâmera é de extrema importância nesse procedimento, pois é ela que permitirá a visualização de toda a região pélvica e abdominal, que poderá ser vista em um monitor instantaneamente. Assim, o médico e os auxiliares dele poderão analisar profundamente o problema, realizar cortes e soltar aderências presentes. O abdômen do paciente é preenchido com gás carbônico, possibilitando a criação de uma cavidade no interior, onde acontecerá a cirurgia.

Preparo

O preparo para realizar esse procedimento, tanto para fins de diagnóstico quanto para tratamento, necessita de exames anteriores e de avaliação pelo médico do risco cirúrgico para o paciente. Quando é preciso explorar a cavidade abdominal, deve-se esvaziar totalmente o intestino do paciente para a cirurgia, utilizando-se medicamentos voltados para isso por indicação médica, a fim de que nada atrapalhe a visualização do cirurgião.

Por a videolaparoscopia ser minimamente invasiva, são feitos poucos cortes, o que melhora o processo de recuperação do paciente. O tempo para a melhora pode ser entre 7 e 14 dias, dependendo da patologia a ser tratada ou diagnosticada. Logo após a cirurgia, é comum a pessoa sentir enjoo, inchaço, dor no abdômen e nos ombros e ficar com o intestino atrasado. Por ser uma cirurgia que necessita de anestesia geral, é necessário ficar internado no hospital pelo menos 1 dia após o procedimento.

Contraindicações

A videolaparoscopia não deve ser realizada em gestações avançadas, quando houver massa abdominal volumosa, tuberculose no peritônio e obesidade mórbida.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Posted by Dra. Cristina Carneiro in Todos
Videolaparoscopia: conheça o exame

Videolaparoscopia: conheça o exame

A videolaparoscopia, também chamada de laparoscopia, é um procedimento com foco em diagnosticar e tratar doenças que podem atingir a região abdominal. O processo tem invasão mínima e o exame é um dos principais para diagnosticar a endometriose, por exemplo. Neste post, você vai conhecer tudo sobre a técnica. Vamos lá?

Vantagens da videolaparoscopia

Esse é um procedimento considerado minimamente invasivo e, entre suas principais vantagens, estão:

  • menor trauma na parede abdominal, se for comparado a outros procedimentos;
  • risco menor de infecção;
  • cicatriz menos evidente;
  • uso de medicações reduzido no período pós-operatório;
  • retorno às atividades habituais de forma rápida.

O procedimento consegue diagnosticar diversas patologias, como tumores na área abdominal, patologias ginecológicas, doenças na área peritoneal e gravidez ectópica, entre outras. A videolaparoscopia pode ser feita para a retirada de lesões no ovário, ou de todo ovário, laqueadura das trompas, entre outros.

Como é feito o procedimento

O processo é feito com o uso de uma microcâmera introduzida por meio da cicatriz umbilical. Geralmente, são feitas entre duas a três incisões bem pequenas na região inguinal e também na região umbilical.

Uma das vantagens desse procedimento é que o corte externo na pele é pequeno e o tamanho da incisão é de cerca de 0,5 a 1 cm. A câmara instalada vai mostrar para o cirurgião, por meio de um monitor, a região abdominal de forma ampla e muito detalhada. Dessa forma, o especialista vai conseguir enxergar com precisão a cavidade do abdômen e da pélvis, a fim de avaliar os órgãos e os tecidos internos.

Assim, o médico vai poder realizar diagnósticos, ou a cirurgia, de forma mais detalhada e cautelosa. Dependendo da situação, exames de radiografia ou ultrassonografias podem não ser suficientes, sendo necessários exames mais específicos, como a laparoscopia.

O procedimento deve ser realizado no hospital e são necessários exames pré-operatórios e também de risco cirúrgico, que deve ser orientado e pedido pelo médico.

Recuperação do procedimento

Como a técnica não é muito invasiva, geralmente a recuperação é rápida e a pessoa não demora muito para voltar a sua rotina habitual. No procedimento, há poucos cortes e o sangramento é mínimo, o que facilita e permite a recuperação mais rápida.

O tempo de recuperação varia de acordo com cada caso, mas, geralmente, é de sete a 14 dias, dependendo do tipo de procedimento. O retorno às atividades deve ser gradativo e, durante todo o processo, é fundamental seguir a orientação do especialista, para que a recuperação ocorra sem complicações.

Nessa fase, podem surgir sintomas, como dores na região abdominal e nos ombros, intestino preso, ânsia de vômito, entre outros. O tempo de repouso é muito importante para a fase de pós-operatório.

A técnica de videolaparoscopia não é indicada para mulheres grávidas, indivíduos que estejam com obesidade mórbida, suspeita de tumores na região abdominal ou quando a pessoa está debilitada.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Posted by Dra. Cristina Carneiro in Todos