Tricomoníase

Tricomoníase: diagnóstico e tratamento

Com um nome estranho para a maioria das pessoas, a tricomoníase pertence ao grupo das DST (doenças sexualmente transmissíveis). A doença é provocada pelo Trichomonas vaginalis, um protozoário presente tanto na vagina como na uretra. A transmissão ocorre durante a atividade sexual, momento em que os parceiros travam contato com suas respectivas secreções.

Embora habite outras áreas do sistema geniturinário, o referido parasita é constantemente identificado nas regiões vaginais internas. Por isso — e apesar de também afetar os homens —, essa é uma infecção bem mais comum entre as mulheres.

Uma vez na vagina, o Trichomonas vaginalis ocasiona pequenos, mas dolorosos, ferimentos no local. Além disso, a mulher fica vulnerável à incidência de outras DST, o que reforça a necessidade de um diagnóstico precoce.

Mas como a doença é diagnosticada e qual é o tratamento mais adequado para ela? Continue a leitura para tirar essas e outras dúvidas!

Principais sintomas

Importante observar que o desenvolvimento inicial da doença não costuma ser caracterizado pela exibição de sintomas. Especificamente com relação às mulheres, os sinais tendem a surgir no decorrer da liberação do fluxo menstrual ou após a finalização do período. Em algumas pacientes, no entanto, o quadro infeccioso pode se manter assintomático durante vários meses.

Quando existem, esses são os sintomas mais frequentes:

  • cheiro intenso e fétido;
  • dores;
  • comichão;
  • problemas ao urinar;
  • corrimento de tonalidade amarelada — com ou sem tons de verde;
  • irritação na vulva.

Exames de diagnóstico

Depois de identificar os sintomas mencionados anteriormente, é necessário que a mulher consulte um especialista: o ginecologista. O profissional pedirá a realização de uma bateria de exames, incluindo:

  • análise sanguínea;
  • recolhimento e análise da secreção liberada pela vagina;
  • cultura de secreção;
  • PCR — proteína C reativa;
  • papanicolau.

Tratamento da tricomoníase

Com o fim de eliminar a concentração do protozoário Trichomonas vaginalis, a mulher infectada é orientada a seguir algumas recomendações. Uma delas reside na suspensão temporária das atividades sexuais.

Essa mudança comportamental visa promover a retomada do equilíbrio interno do organismo. Como consequência, é possível prevenir a piora do quadro infeccioso. Além disso, o nível de incômodo causado pela doença diminui, assim como a probabilidade do surgimento de outras DST.

Com relação ao tratamento medicamentoso em si, costuma-se adotar compostos quimioterápicos e antibióticos. Caso haja um parceiro, ele deve se submeter ao tratamento ao lado da mulher, a fim de se evitar uma reincidência.

Concomitantemente ao uso de medicamentos, é indicada a utilização de um creme próprio para a vagina. Para se precaver contra o desenvolvimento de náuseas e ânsia de vômito, a mulher não deve ingerir bebidas alcoólicas até o término do tratamento.

Ao ser infectada pelo protozoário causador da tricomoníase, a mulher passa a sentir diversos desconfortos, como ardência e coceira intensas. Outros transtornos são as dores, que podem se manifestar, inclusive, no decorrer da relação sexual. Assim, trata-se de uma doença que compromete consideravelmente a qualidade de vida da paciente e que, portanto, precisa ser tratada adequadamente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como ginecologista em São Paulo.

Comentários

Posted by Dra. Cristina Carneiro